Direção da Organização Regional do PCP analisa os resultados autárquicos

A Direção da Organização Regional de Castelo Branco (DORCB) do PCP, reuniu este sábado para analisar os resultados das autárquicas de 1 de Outubro. Na reunião discutiu e decidiu linhas de trabalho no plano da intervenção do Partido no Distrito.

No que toca a resultados, o PCP salienta “a importante expressão da CDU nas Assembleias Municipais e Assembleias de Freguesias”, obtendo 31 mandatos em 6 dos 11 concelhos (Oleiros, Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Fundão, Covilhã e Belmonte) sendo que 24 mandatos são para Assembleias de Freguesia e 7 em Assembleias Municipais.

Neste campo “valoriza” o resultado da CDU na Boidobra, reforçando em votos e percentagem, mantendo a presidência desta importante Junta de Freguesia, assim como o reforço da CDU e a eleição em freguesias onde não tinham presença, ou reforçando a mesma, como são os casos de: Maçainhas e Inguias em Belmonte, Zebreira, Idanha e Monsanto em Idanha-a-Nova, Peso e Vales do Rio na Covilhã e Cebolais/Retaxo em Castelo Branco.

Como aspetos negativos, a CDU aponta a diminuição de número votos, a perda de 3 eleitos em Assembleias de Freguesia, 1 eleito em Assembleias Municipais e a perda do vereador na Covilhã. Resultados que surgem para o PCP num quadro de “silenciamento, hostilização, linhas anti-comunistas, dispersão de candidaturas, a desproporcional projecção de algumas candidaturas assim como de meios e utilização dos cargos públicos”. A DORCB do PCP reafirma que estes resultados “não colocam em causa o trabalho, empenho e intervenção da CDU e dos seus eleitos em defesa dos interesses e aspirações das populações em cada um dos concelhos”.

O PCP quer na agenda política o tema dos incêndios, afirmando que “mais do que legislação, exige-se que a existente seja aplicada, onde a necessidade de meios como os sapadores e guardas florestais são prementes, assim como a dotação de meios e equipamentos às diversas corporações de Bombeiros na Região, além de todo o carácter de meios preventivos que urgem ser tratados além da época dos incêndios”. A seca foi outro dos temas analisados, onde os comunistas reafirmam a necessidade de apoio aos agricultores e a “necessidade comprovada do regadio a sul da Gardunha”.

Acompanhando a acção geral do Partido, e tendo em conta a acção concreta no Distrito, a DORCB apontou como principais linhas de trabalho até ao fim do ano de 2017: desenvolvimento da Jornada nacional de informação nos dias 26,27 e 28 de Outubro com acções em todo o Distrito; desenvolvimento da campanha de valorização do trabalho e dos trabalhadores, pela fixação do Salário Mínimo Nacional em 600 euros em Janeiro de 2018.