Parte do património da Adega da Covilhã rende 280.000 euros

Foi ontem o leilão do património global (móvel e imóvel) da Adega Cooperativa da Covilhã, com valor fixado em 1,6 milhões de euros, mas sem qualquer licitação por parte dos presentes na sala de leilão. O valor ainda foi revisto mas sem qualquer proposta.

O património foi então dividido em dois lotes. O património móvel (recheio e automóveis) e património imóvel. O primeiro lote acabou por ser vendido a um empresário de Arruda dos Vinhos por 280 mil euros. A venda do património imóvel, edifícios e o terreno onde está implantada a adega, vai agora ser feita através de propostas em carta fechada. O valor base fixado pelo administrador de insolvência e pela comissão de credores é de 1 milhão 455 mil euros.

Recordar que a Adega da Covilhã, foi declarada insolvente em maio deste ano, depois dos credores terem rejeitado o Plano de Revitalização Especial apresentado pela direção em setembro de 2016. A dívida global da Adega ultrapassa os 3 milhões de euros, sendo que os principais credores são os dez funcionários, a banca e os sócios.