Casteleiro diz que eleito do CDS “revela um profundo desconhecimento”

As críticas do vice presidente do CDS, Adolfo Mesquita Nunes, ao Centro Hospitalar Cova da Beira “revelam um profundo desconhecimento da instituição”. É a resposta de João Casteleiro, presidente do conselho de administração, às afirmações feitas pelo centrista sobre as 35 horas de trabalho. João Casteleiro é perentório em afirmar que “o que ouviu são nitidamente mentiras”. Referindo-se a especialidades como a estomatologia especifica que “o serviço tem dois estomatologistas que atende doentes de todo o País, é de um desconhecimento total dizer que o serviço é deficiente”. Já quanto à lista de espera de dois anos de oftalmologia, João Casteleiro desafia o centrista a “comparar o CHCB com outros hospitais”.

Foi em conferência de imprensa que Adolfo Mesquita Nunes acusou o governo de estar “a provocar estrangulamentos nas unidades de saúde do interior com a introdução das 35 horas sem planeamento”, pondo em risco especialidades cirúrgicas no CHCB.

João Casteleiro reafirma que não há serviços em risco num hospital que tem também a “responsabilidade da formação, que anualmente recebe 400 alunos de medicina, 400 de enfermagem, 150 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, 50 internos de formação específica e outros 50 do ano comum”.