Bloco Esquerda preocupado com funcionamento do SEF Castelo Branco

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda critica o facto do serviço de marcações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) de Castelo Branco “estar numa situação insustentável”, denunciam em Nota de Imprensa. Explicam que “para além das centenas de estrangeiros a viver no distrito, esta situação também causa enormes constrangimentos aos mais de 1000 estudantes não europeus da UBI”.

Para os bloquistas os constrangimentos no funcionamento são provocado pela “grande falta de meios humanos”. Afirmam que “o SEF continua a funcionar em Castelo Branco, no entanto o serviço de marcações de renovações foi centralizado, ou seja passou a ser possível efetuar a marcação online, de qualquer parte do país, não se respeitando as especificidades de cada distrito”. Acrescentam que “com a política de centralização de alguns serviços como solução para diminuir a despesa, mais uma vez se retirou a eficiência a um serviço no Interior”.

Afirmam que em Castelo Branco, nos próximos meses, não há vagas para este serviço, “o que afeta fortemente os estudantes estrangeiros da Universidade da Beira Interior e do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Na nota de imprensa afirmam que irão avançar “com questões às autoridades competentes para que esta demora gigantesca se veja reduzida, já que esta situação coloca as pessoas numa vulnerabilidade injustificável”.

Por: Gina Almeida