Agricultores reclamam regadio a sul da Gardunha

A Associação Distrital dos Agricultores de Castelo Branco (ADACB) reuniu esta manhã, 17 de dezembro, em assembleia geral e aprovou por unanimidade uma moção onde reclama “verbas públicas para a concretização urgente do regadio da Cova da Beira”. Na reunião foi igualmente aprovado, por unanimidade, o plano de atividades e orçamento para o próximo ano.

Em nota de impresa, a organização refere que “o estatuto da agricultura familiar e os problemas da comercialização a preços compensatórios dos produtos agrícolas são temas que vão dominar a atividade da ADACB no próximo ano”. Destaca-se ainda o apoio técnico dado aos agricultores, nomeadamente no âmbito dos subsídios agrícolas, registo de animais e legalização das explorações pecuárias, medições de terrenos, formação profissional, e aconselhamento agrícola e florestal.

Sobre o regadio, na moção aprovada, a associação reclama que o regadio da Cova da Beira abranja novas zonas, designadamente a Gramenesa e a margem direita do rio Zêzere. Refere o documento que “a sul da Gardunha, nas freguesias de Vale de Prazeres e Mata da Rainha, Alpedrinha, Castelo Novo, Orca, Póvoa da Atalaia e Atalaia do Campo, Soalheira, Póvoa de Rio de Moinhos, Lardosa, Alcains e Castelo Branco, a agricultura é a principal atividade económica e já bastante representativa em termos de produção frutícola, cerealífera e de pecuária”.

Para os agricultores, e uma vez que a Câmara do Fundão está a realizar o estudo de viabilidade, “são agora necessários fundos públicos para realizar o projeto e, uma vez que este regadio está referenciado no plano nacional de regadios sem qualquer verba atribuída, apesar de ser o único no Interior do país, os agricultores reclamam o financiamento a 100% para a concretização urgente do regadio a sul da Gardunha”.