GNR de Unhais da Serra vai passar para a antiga biblioteca da vila

A mudança de local do posto esteve em discussão, ontem à noite, na Assembleia de Freguesia de Unhais da Serra, mas embora este fosse o tema na ordem de trabalhos, acabou por cair para segundo plano face às “alterações” de funcionamento daquela força militar, nos últimos meses.

Na sessão esteve o comandante do destacamento da Covilhã da GNR, para dar conta da forma de funcionamento do posto de Unhais. O capitão Luís Moreira explicou que com “os 7 militares que atualmente ali prestam serviço”, com a perspetiva de passarem a seis em breve, “será impossível”, por si só, assegurar “o atendimento permanente do posto, quanto mais o patrulhamento”. Uma situação que a GNR ultrapassa com “a centralização da nomeação de serviço”, com a “junção dos militares de Tortosendo, Unhais e Paul”, explicou. O capitão garante que há sempre na “área dos 3 postos uma patrulha de ocorrências”, já as patrulhas livres, “serão colocadas onde o comandante decidir que fazem falta”. O Comandante garante ainda que “com esta forma de organização não há risco se encerrar o serviço de atendimento em Unhais”, adiantando que “esta é a forma como o posto sempre funcionou”, o contrário, é uma “ideia que alguém vendeu, porque há quem não esteja preocupado com a segurança das populações”

A oposição da Assembleia de Freguesia de Unhais da Serra não ficou convencida. Carlos Moreira do movimento “de Novo Covilhã” disse à nossa reportagem que “esta solução não é viável e a curto prazo o posto encerrará”. Para o deputado a única solução será construir um quartel de raiz, no bairro “Terras da Senhora”, “para o qual há projeto” e aí “centralizar os serviços da GNR”. Acusa a Junta de Freguesia de “nunca ter dado força a esta opção”.

O presidente da Junta de Freguesia também mostra “preocupação”, mas descarta a hipótese de que o encerramento do posto esteja em cima da mesa. José Guerreiro afirma que “o serviço de atendimento não é o que gostávamos, mas é o possível”.

O funcionamento do posto “não será alterado”, o que irá mudar são as “condições”, dadas aos militares. A Assembleia de Freguesia aprovou a mudança de instalações para a antiga biblioteca, nas instalações da junta. O presidente explica que o Comando Distrital já realizou o anteprojeto, que agora “está nas mãos do Ministério da Administração Interna para aprovação”. As obras a realizar “ficarão a cargo da Câmara Municipal da Covilhã”.