“Não compreendo tanto secretismo”

“Não compreendo tanto secretismo”, é desta forma que Adolfo Mesquita Nunes reage à falta de resposta da Câmara Municipal da Covilhã, ao pedido de informação sobre as contratações e nomeações feitas pelo município desde julho de 2017, que o vereador do CDS-PP fez na última reunião pública do executivo.

Recorde-se que Mesquita Nunes evocou os prazos previstos no Código do Procedimento Administrativo para obtenção de resposta, os 10 dias úteis terminaram na passada sexta-feira, sem que tivesse obtido resposta. O vereador afirma que irá recorrer “aos meios legais ao seu dispor” para obtenção de resposta, estranhando “o secretismo que se associa” a esta matéria, acrescentando que a cidade não é “tão pequena que estejamos condenados à consanguinidade nas nomeações”.

Vítor Pereira refuta tais acusações, para o autarca “tudo não passa de insinuações” numa “manobra de marketing político”. Para o presidente da Câmara não há “secretismo nenhum” afirmando que “a administração pública é perfeitamente transparente” e que “o vereador irá ter a sua resposta”, mesmo que fora do prazo.