Requalificação da antiga PSP adjudicada

Foi adjudicada na última sexta-feira, a empreitada para a requalificação das antigas instalações da PSP e construção do Centro de Inovação Empresarial da Covilhã, uma obra que merece críticas do movimento De Novo Covilhã por não lhe reconhecer “utilidade”.

Com um valor de 783 mil euros e um prazo de execução de 300 dias, o processo seguiu para o Tribunal de Contas para obtenção de visto, para que as obras possam arrancar, anunciou Vítor Pereira, presidente da Câmara da Covilhã.

A obra mereceu críticas do vereador do movimento De Novo Covilhã, Paulo Rosa, que considera que “a utilidade deste centro é dúbia”, uma vez que existe, “para os mesmos fins”, o Parkurbis, Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã, que “existe para dar as mesmas respostas que este novo centro possa vir a dar”, salientou.

Para Vítor Pereira estas críticas não têm razão de ser. O autarca recorda que desde o primeiro momento refere que este centro se destina a um público “mais universitário”, e este localiza-se em pleno campus universitário, com todas as vantagens que tal possa trazer, “uma vez que dispensa o uso de transporte aos estudantes”.

Quanto às críticas proferidas por Paulo Rosa, de “permanências alongadas” no Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã, de empresas que “demoram a desencubar”, frisou o vereador, o presidente da câmara responde com questões económicas. O edil recorda os cerca de “225 mil euros que o parque tem que pagar à banca anualmente”, e explicou que face ao encargo financeiro, “é preciso amortecer essas dificuldades com permanências mais alongadas de empresas, que podem pagar mais que outras”.