15 milhões de euros e 78 mil km de cabos para ligar o Maciço Central com fibra ótica

Um investimento “inédito, de mais de 15 milhões de euros”, permite levar a partir de hoje a fibra ótica de última geração a 60 freguesias dos concelhos da Covilhã, Fundão, Manteigas, Seia, Oliveira do Hospital e Gouveia.

A cerimónia de inauguração decorreu esta manhã, no Data Center, na Covilhã e o presidente executivo da Altice, Alexandre Fonseca, anunciou que a empresa não ficará por aqui, no próximo ano quer “transformar Portugal no 1º país com 100% cobertura em fibra ótica”.

Para a implementação dos cerca de 78 mil km de cabo no Maciço Central, o investimento foi de 10 milhões de euros diretos e mais 5 milhões em modernização de infraestruturas, sendo o “maior investimento privado nesta região”, frisou o líder da Altice.

Alexandre Fonseca destaca a aposta da empresa numa região de baixa densidade, considerando-a “uma escolha natural face à estratégia de proximidade que a empresa defende”. A empresa diz cobrir 85% do maciço central com fibra ótica, “mais de 144 mil habitantes e mais de 90 mil lares e empresas”. Mostra-se convicto que com o investimento “vai mudar para sempre a forma de comunicar das populações e até mesmo a forma de viver nestas regiões”, conseguindo-se ligar “encosta a encosta, todo o Maciço Central da Serra da Estrela”.

O investimento foi elogiado pelos autarcas dos seis municípios que, a partir de agora têm maior cobertura de fibra.

Vítor Pereira, presidente da Câmara da Covilhã, destaca o aspeto “diferenciador” do projeto, que partindo de uma “empresa privada, tem natureza de serviço público”, pois ajuda a “fixar mão-de-obra no interior”, já que “esta é mais um fator de atratibilidade para quem trabalha, estuda ou vem em lazer à região”.

Na Covilhã o projeto abrange freguesias como Cortes do Meio, Erada, Unhais da Serra, Tortosendo, Teixoso e Cantar Galo/Vila do Carvalho.

Carlos Camelo, autarca de Seia, classifica o projeto como “inclusivo” que, partindo de uma empresa privada, “vai ao encontro de um serviço público”, numa clara “uma ajuda à promoção da coesão territorial”.

Esmeraldo Carvalhinho, presidente da Câmara Municipal de Manteigas, “aplaude” o trabalho da empresa para “melhorar a qualidade de vida das populações e desenvolver o território”.

Por parte do município de Oliveira do Hospital, o vice-presidente, Francisco Rolo, para além de realçar “o papel fundamental do projeto para combater assimetrias”, deixou espelhado “o agradecimento” do concelho à Altice quando, após os incêndios de 2017, “de pronto respondeu para socorrer a população que estava sem comunicações”, numa resposta que foi mais longe, não reparando só o que ardeu, “mas estendendo a rede de fibra a outras freguesias”, referiu.

Também Jorge Ferreira, vereador da Câmara Municipal de Gouveia, realçou o investimento privado em territórios de baixa densidade, considerando importante “que a empresa não despreze aquela região pelo facto de ter pouca gente”.

Elogios unânimes de todos os autarcas presentes, Paulo Fernandes, presidente do município do Fundão considera que este investimento “soma vantagens ao quadro das infraestruturas da região”, realçando que permite ligar “o local ao global, o que hoje é essencial”.