Bairro do Património: Após décadas sem pagar moradores passam a arrendatários

A CDU acusa a autarquia de ameaçar moradores do bairro do Património, da Covilhã com despejo. A autarquia afirma está a notificar os moradores para apresentarem documentação para fixação de renda, numa situação de igualdade com os restantes moradores de bairros municipais.

O caso foi apresentado na reunião da Assembleia Municipal da Covilhã, por Vítor Reis Silva, eleito da CDU que citou denúncias de moradores daquele bairro. Segundo relatou “há moradores que vivem ali há décadas, em casas construídas por beneméritos e doadas às conferências S. Vicente Paulo”. Vítor Reis Silva disse mesmo que, “não está claro que as casas pertençam à autarquia”, o deputado afirma que “os residentes receberam uma carta da Câmara para assinar contrato de arrendamento, caso contrário seriam despejados” ou “poderiam adquirir os imóveis”, o que também não é viável, uma vez que “se trata de gente sem recursos”.

Vítor Reis Silva questiona “como é possível tudo acontecer sem uma reunião ou esclarecimento”, uma vez que considera que “receber uma carta desta natureza provoca instabilidade e ansiedade”. O deputado afirma que “deveria haver maior preocupação social com os moradores”.

A estas denúncias respondeu Vítor Pereira. O presidente da autarquia esclareceu que os “registos das casas foram regularizados e atualizados”, foram avaliadas e os moradores “estão a ser notificados para apresentar documentos para avaliação da sua situação socioeconómica para fixação de rendas”. Segundo o autarca o objetivo é tratar “com igualdade todos os arrendatários do município”, uma vez que há ali pessoas a viver “há anos sem pagar qualquer valor”.