Vitor Pereira: “A Covilhã não pode cair nas mãos dos que no passado optaram por uma gestão ruinosa e irresponsável”

A declaração é de Vítor Pereira que se recandidata para mais um mandato à frente da autarquia. Foi proferida na abertura da sede de campanha este sábado ao final da tarde.

Para o candidato do PS “os que deixaram a Câmara completamente endividada, lhe retiraram a capacidade operacional, acumularam processos jurídicos em tribunal e venderam a água aos privados, não podem regressar”. O candidato do PS acrescenta que a Covilhã “merece mais, não quer de novo os protagonistas do passado”, merece uma “gestão focada e direcionada para as pessoas”.

Após 4 anos de mandato, “em que foram pagos 40 milhões de divida”, com uma gestão “de rigor, transparência, honestidade, responsabilidade e compromisso”, Vítor Pereira afirma que “estão lançadas as bases” para a concretização da cidade que idealizou.

Quanto a obras, “o plano de requalificação do parque escolar é para continuar”, assim como “a requalificação das infraestruturas rodoviárias de todo o concelho”. “O Plano de Mobilidade suave, a recuperação de fachadas, e a concretização do programa PEDU com a conclusão da remodelação do Teatro Municipal, construção do Centro de inovação Social e o Centro de Inovação Empresarial” são prioridades apontadas pelo candidato. Vítor Pereira prometeu ainda que no próximo mandato “irá fortalecer tudo o que representa a identidade da Covilhã”. Pretende que esta seja uma “cidade fábrica, escola e montanha”.

Linhas traçadas no discurso de abertura da sede de campanha de Vítor Pereira, no Centro Cívico, o candidato afirmou ainda que “uma vez mais escolheu um local no Centro Histórico que representa simbolicamente a prioridade que vou dar à revitalização da zona”.

As criticas à gestão no passado chegaram também no discurso de Pedro Guedes de Carvalho, mandatário de Vítor Pereira, que apelidou de “gestão do quero, posso e mando, onde imperava o eu é que sei, eu é que faço. São conhecidos por ter feito muito, mas não se vê nada que seja importante e qualificante para a Covilhã”. Pedro Guedes de Carvalho acrescenta que “ideias há 500, mas quem conhece melhor a situação para as pôr em prática é Vítor Pereira, um líder capaz porque sabe negociar, é paciente”. “Com uma casa armadilhada nos últimos 4 anos, não morreu da bomba e está cá para dar a cara outra vez”, salientou o mandatário.

Já João Casteleiro, candidato à Assembleia Municipal pelo PS, reconhecendo que se está em tempo de “se ter contenção nas promessas” acrescentou, no entanto, que “não devemos nem podemos limitarmo-nos ao cinzentismo da realidade deprimente, temos que encontrar o equilíbrio entre o pessimismo que deprime e o otimismo que estimula”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *