Declarações dos vencedores nas freguesias da Covilhã

Ainda o rescaldo das autárquicas, ao olhar para as freguesias do concelho, das 21 existentes, 14 têm tom rosa, duas são da coligação Vontade de Mudar, uma da CDU e outra do movimento independente De novo Covilhã. Há 3 que serão governadas por independentes.

No Tortosendo, o independente David Silva vai continuar à frente da freguesia e, tal como há 4 anos sem maioria, venceu com 38.67%, algo que na hora da eleição não preocupa o presidente reeleito que considera que “vai ser fácil formar o executivo”.

Também na Boidobra, única freguesia no distrito governada pela CDU, Marco Gabriel renovou o mandato sem conseguir a maioria. “O primeiro objetivo foi conseguido, a vitória”, afirmou Marco. Agora mostra-se convicto que “todos os eleitos irão encontrar as soluções para a freguesia”.

Na União de Freguesias de Teixoso e Sarzedo, o socialista José Alberto Pais ganhou a junta, tangencialmente, ao anterior presidente. Na hora da vitória mostra-se “satisfeito com a vitória” e, mesmo sem maioria, mostra-se “convicto que será fácil conseguir formar o executivo”.

No outro extremo da votação está Rui Amaro, que foi reeleito na União de Freguesias de Peso e Vales do Rio pelo movimento independente De Novo Covilhã, com a maior votação no conjunto das 21 freguesias. Conseguiu 75,68% dos votos. Segundo o próprio, nem ele “esperava uma margem tão dilatada”.

Votação acima dos 70% teve também o socialista João Almeida, na Erada, com 73,28%. Números que dão ainda “mais responsabilidade para um novo mandato”, diz.

A votação também surpreendeu pela positiva António Pinto, independente que foi reeleito em Orjais. “Contava com a vitória”, mas “não tão expressiva”. Relembramos que o independente conseguiu 68,71% dos votos.

Nas Cortes do Meio, José Viegas, 16 anos depois, voltou a por os socialistas no poder, “fruto de um trabalho que se iniciou há 4 anos”.

Já no Paul, Gabriel Gouveia renovou o mandato para o PS. Uma freguesia que “necessita de muito trabalho” e é isso que promete no momento da reeleição.

A coligação Vontade de Mudar conquistou a junta de Verdelhos, com Carlos Rosa. Um resultado que se destacou no meio da aflição nacional do partido laranja. Como uma das principais prioridades coloca “o trabalho de proximidade que é preciso fazer com a população”.

Da mesma cor política fica a União de Freguesias de Vale Formoso e Aldeia de Souto, com a vitória de Daniel Tavares, que “espera agora levar nova dinâmica aquelas localidades”.

Cartar-Galo e Vila do Carvalho continua nas mãos dos socialistas, com Pedro Leitão na presidência, que irá continuar o trabalho que já iniciou em anos anteriores “com responsabilidade acrescida”.

A União de Freguesias do Barco e Coutada a vitória foi para Luís Morais, independente com apoio do PS. O candidato foi, desta forma, reeleito, o que no fundo, “já esperava dado o bom mandato que desenvolveu”.

O também independente com apoio do Partido Socialista, César Craveiro, foi concorrente único em Casegas e Orondo. Nos próximos 4 anos vai “continuar a luta pela desagregação” das duas localidades.

Em Unhais da Serra, o socialista José Guerreiro venceu as eleições. Segundo o próprio é objetivo neste mandato ter “o mesmo empenho que teve na campanha”.

Sandra Ferreira, independente com apoio do PS, foi reeleita em Sobral de São Miguel. Disse à Rádio Covilhã que acreditava na vitória, que encara “com muita responsabilidade para trabalhar ainda mais nos próximos 4 anos”.

Em São Jorge da Beira, o socialista José Branco concorreu sem oposição, mas encarou as eleições “com seriedade, tal como irá encarar o mandato”.

Um mandato “muito mais tranquilo”, é o que espera o socialista Sílvio Dias em Peraboa, que nos últimos 4 anos enfrentou grandes problemas por não ter maioria, que no domingo passado alcançou.

Na freguesia vizinha, o Ferro será governado pelo independente Paulo Cunha Ribeiro, que espera “colocar o Ferro no patamar que merece, desenvolvendo todas as suas potencialidades”.

No Dominguizo, foi reeleito José Matos, independente com apoio do PS, que promete continuar “o trabalho de equipa que vem desenvolvendo nos últimos anos”.

Para finalizar, na Aldeia de São Francisco de Assis, a independente com apoio do PS, Joana Campos, também foi reeleita para um mandato que espera “ser de continuidade”. Afirma que, o facto de o “PS ter maioria absoluta na autarquia será benéfico também para a estabilidade nas juntas”.