Covilhã cria rede de bicicletas

A Covilhã será a primeira cidade de montanha a criar uma rede de bicicletas. A autarquia lançou na sexta-feira, 6 de julho, o concurso para a implantação da Ciclovia da Rede Ciclável da Covilhã. Com prazo de execução até 90 dias, esta é a primeira fase do projeto que pretende criar uma rede de mobilidade na cidade, ligando funiculares, elevadores, transportes rodoviários e ferroviários. Uma medida que terá um custo global de um milhão de euros e deverá estar em funcionamento pleno em 2020.

Vítor Pereira garante que tem todos os mecanismos financeiros para a sua concretização. O vereador do movimento “De Novo Covilhã” diz que é “um embuste”.

Carlos Pinto disse aos jornalistas que “há ruas na cidade que não comportam a ciclovia, não passará de uma pintura em cima do empedrado ou do asfalto, podemos esperar sentados pela ciclovia”, disse.

A rede ciclável a construir comporta 21 percursos diferentes. Vítor Pereira explica que serão construídas ciclovias onde seja possível, noutros locais, como a zona história, será marcado o piso “como é habitual em todas as cidades”.

O projeto é comparticipado em 85 por cento com verbas do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU). Hélio Fazendeiro, adjunto de Vítor Pereira explica que o financiamento não contempla a aquisição de bicicletas e garante que a “autarquia tem já prevista e estudada a forma de as adquirir”. Os percursos a implementar foram estudados por forma “a interligar os equipamentos de mobilidade já existente”, explicou ainda Hélio Fazendeiro.

Vítor Pereira diz que é intenção da autarquia fazer uma ligação com a rede de transportes públicos. Nas negociações da próxima concessão (a atual termina em setembro de 2019) pretende introduzir a “bilhética integrada” para comodidade dos utentes.