Requalificação da escola Frei Heitor Pinto adjudicada

A requalificação prevista para a Escola Secundária Frei Heitor Pinto, na Covilhã, representa um investimento total de 3,3 milhões de euros, tem a comparticipação europeia, através do pacto de desenvolvimento e coesão territorial da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, de 2,8 milhões de euros.

A obra foi adjudicada por 2,5 milhões, na reunião privada da Câmara da Covilhã, esta sexta-feira, com a abstenção do CDS-PP e do movimento “De Novo Covilhã”.

Vítor Pereira, presidente do município, explica que o valor da adjudicação “permite uma almofada financeira”, para fazer face aos “trabalhos imprevistos”, que resultam do facto de “não serem conhecidos os projetos iniciais da escola”. O autarca adianta que, caso a verba não seja necessária será “alocada para outras escolas que necessitam de obras no concelho”.

Quanto ao projeto, que já mereceu críticas do diretor do agrupamento de escolas Frei Heitor Pinto, Vítor Pereira reforça que “não é da responsabilidade da autarquia”, frisando que “resulta de um mapeamento das necessidades feito pelo Ministério da Educação”. A Câmara Municipal, explica o edil, “apenas aceitou ser “dona da obra” para acelerar o processo”.

A obra foi adjudicada esta sexta-feira à firma Virgílio Roque, tem o prazo de execução de 450 dias, aguarda apenas o visto de Tribunal de Contas, para que os trabalhos se iniciem.

A oposição optou pela abstenção por não ter dados que lhes permita “analisar o concurso na sua totalidade”, disseram aos jornalistas no final da reunião Maria José Madeira, do CDS e Paulo Rosa, do movimento De Novo Covilhã.