Legislativas: TSD bate com a porta

Nuno Miguel Henriques, nome indicado pela distrital dos TSD-Trabalhadores Social-Democratas da Beira Baixa, para integrar a lista do PSD renunciou ao cargo após a aprovação da lista no Concelho Nacional, “lamentando a falta de presença de intelectuais e profissionais do setor da cultura nas listas em lugares prestigiantes” numa “área tão abandonada e maltratada no Partido Social Democrata”, denuncia em comunicado.

Como razões para a saída aponta ainda o facto de a lista não ter sido enviada pela distrital do partido para a direção nacional por ordem alfabética e o nome indicado pela JSD surgir na lista, em lugar mais acima do que o indicado pelos TSD.

Nuno Miguel Henriques afirma que “num distrito envelhecido como o de Castelo Branco, não faz qualquer sentido, a não ser por sectarismos e jogos de bastidores pouco éticos e razoáveis, apresentar a representante da JSD, sem ser uma mais-valia relevante ainda na sociedade ou no partido, antes do representante dos TSD, ainda mais sendo a jovem natural do mesmo concelho que a cabeça de lista”.

A “falta de um candidato covilhanense nos efetivos” é outra das razões apontadas para a saída de Nuno Miguel Henriques que, na lista do PSD, ocupava o sexto lugar.