Impasse no Serviço de Otorrino do CHUCB

Está num impasse o Serviço de Otorrino no Centro Hospitalar Universitário da Cova da Beira (CHUCB). João Casteleiro, presidente do concelho de administração, diz que “o serviço em si não está em risco, é inerente ao centro, mas é certo que os 2 especialistas afetos ao serviço pediram a rescisão de contrato”.

Uma situação que segundo João Casteleiro “já se arrasta há algum tempo”, explica que “os 2 profissionais, marido e mulher, começaram por pedir redução de horário para trabalhar apenas 2 dias e face à recusa do CHUCB propuseram sair e criar uma empresa que iria realizar as cirurgias em lista de espera, uma lista que eles próprios criaram”, uma situação que a Administração Regional de Saúde está a analisar.

João Casteleiro garante que “há contatos com outros profissionais para virem para a Covilhã, alguns com interesse em vir, não só na especialidade em causa”, mas tudo tem que seguir a legalidade.

Segundo Casteleiro são razões económicas que estão na base do pedido de rescisão dos dois clínicos, que “alegam que comparativamente a outros colegas mais novos ganham menos, porque quando vieram para a Covilhã não foram abrangidos pelos incentivos que agora existem”.

Uma situação que preocupa João Casteleiro, até porque adianta “há poucos Otorrinos em Portugal e fazem valer a sua força de serem poucos”.

Dizer que esta é uma situação sobre a qual o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda questionou o governo através do Ministério da Saúde. O Bloco questiona a tutela se “tem conhecimento da situação? Se confirma a saída de médicos do CHUCB, o que coloca em risco a especialidade de otorrinolaringologia? E se está disposto o Governo a intervir junto do Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira, para que seja salvaguardada a manutenção do serviço?”.