Falta de contas das empresas do grupo “Município da Covilhã” motiva queixa do PSD às finanças

O PSD Covilhã entregou ontem uma queixa na Inspeção Geral de Finanças contra o Município da Covilhã, anunciou Hugo Lopes, na Assembleia Municipal durante a tarde.

A ausência de resposta da autarquia a um requerimento, entregue em junho, pela bancada do PSD, onde solicitavam a prestação de contas das empresas municipais, está na origem da queixa apresentada, adiantou ainda Hugo Lopes. O deputado municipal recordou que “já no requerimento” alertavam para “a obrigatoriedade legal das empresas entregarem as contas à Assembleia Municipal”, sob pena de “os órgãos socias das empresas serem dissolvidos”, um requerimento que “não obteve qualquer resposta” passados 8 meses, “quando o prazo legal para o fazer são 10 dias”, lembrou. Face a esta situação o PSD Covilhã “entregou o caso à Inspeção Geral das Finanças”, para que esta “tome as diligências necessárias”, disse Hugo Lopes.

Questionado no final da reunião, o presidente da Câmara Municipal da Covilhã, Vítor Pereira, minimizou a questão considerando que “quem anda na política, está habituado a queixinhas”. Afirmou ainda que “não há fundamento”, acrescentando que “a consolidação de contas do grupo Município da Covilhã vai acontecer em março” e que tudo é “transparente, nunca houve tanta transparência como agora, tudo é sindicado e vistoriado”. O autarca refere que a situação mais não é que “uma política rasteira, sem qualquer seriedade”.