Mulheres social-democratas querem listas paritárias

“As quotas foram um mal muito útil”, para a intervenção das mulheres na vida politica, defendeu Lina Lopes, presidente da Academia de Formação Política para Mulheres Social-democratas, cuja segunda edição decorreu ao longo do fim-de-semana, nas Penhas da Saúde. A dirigente lamenta, no entanto, que as quotas exigidas “não respeitem ainda a representatividade das mulheres”, afirmando que deveriam ser “pelo menos, completamente paritárias numa quota 50/50”, frisando que “mesmo assim as mulheres não ficariam bem representadas esclarecendo que “há 116 mulheres por cada 100 homens e são elas que têm maior formação”. Defende que só os “60/40 a favor das mulheres seriam uma representatividade correta”, mas o ideal “é a igualdade”.

Uma situação que muitas vezes “é da responsabilidade das próprias mulheres” refere, uma vez que “elas têm dificuldade em fazer grupo”. Uma situação que o PSD quer ultrapassar com a realização das Academias de Formação, “uma iniciativa pioneira”, sublinha, que tem por objetivo “mostrar que a politica também se faz no feminino”.

Uma posição que o vice-presidente da comissão política nacional do PSD, David Justino, também defende. Esteve presente como orador nesta segunda edição da formação, para mostrar que “as mulheres têm uma cultura própria, uma forma diferente de sentir os problemas dos cidadãos” o que lhes dá a vantagem de “estarem mais próximas do seu sentir, e essa sensibilidade é um contributo, importante, para a política mudar a sua natureza”, defendeu.

Para falar de liderança, a Academia de Formação chamou o “homem que sempre ganhou tudo”, referiu a organização ao apresentar Alberto João Jardim, antigo dirigente do partido e ex-líder do Governo Regional da Madeira. Com o seu estilo próprio, disse à nossa reportagem que “isso é um exagero”, “não tenho nada para ensinar”. Na reflexão sobre liderança salientou que “o essencial, para ser líder, são os aspetos natos da personalidade de cada um e a equipa que consegue reunir”.

A segunda edição da Academia de Formação Politica para Mulheres do PSD, teve 50 participantes, de norte a sul do país. A terceira irá decorrer, em junho, em Aveiro.