João Paulo Catarino: “É preciso continuar a baixar custo de contexto para atrair investimento”

A Covilhã é o exemplo da transformação que o ensino superior pode trazer a uma cidade do interior, afirmou João Paulo Catarino. O Secretário de Estado para a Valorização do Interior falava na UBI, durante a conferência da Central de Balanços do Banco de Portugal, em que centrou a sua intervenção no grande desafio que os territórios do interior têm para o futuro, que passa por “inverter a pirâmide demográfica, apostando fortemente no aumento da natalidade”, frisou.

Uma aposta que só será concretizada com apoios para a fixação de população jovem, que “devem chegar também de serviços públicos”, de que é exemplo “o Banco de Portugal que descentralizou o seu Call Center para Castelo Branco, um exemplo que outros devem seguir”, especificou.

O Secretário de Estado chamou ainda a atenção para a “estratégia traçada pelo governo para o interior”, que assenta em três pilares, nomeadamente a “atração de investimento, a manutenção da paisagem e a oferta de serviços públicos de qualidade”. Estratégia que ao ser posta em prática irá criar emprego “que permitirá a fixação de pessoas”. Um cenário em que é “preciso a intervenção do estado” para “a redução de custos de contexto”, que no entender de João Paulo Catarino “já está espelhada no Orçamento do Estado para este ano”, com medidas que “não sendo suficientes”, são “bem melhores do que o que tínhamos antes”, referiu.

Na área da educação o governante não tem dúvidas que “a Covilhã é a cidade que melhor atesta a importância que o ensino superior pode e deve ter no desenvolvimento dos territórios”, afirmou.