“A CDU não esquece o distrito”

Mesmo sem ter um deputado eleito, a CDU esteve sempre ao lado das batalhas travadas pela região, afirmou Jerónimo Sousa, secretário-geral do PCP, que no sábado esteve no Tortosendo, num comício em que Ana Leitão, candidata da CDU, apresentou algumas das reivindicações que farão parte da sua campanha.

Jerónimo Sousa disse na sua intervenção, “que mesmo sem um deputado eleito na região, ela nunca foi esquecida”, ao contrário dos “que elegeram e se esqueceram”. Para Jerónimo Sousa a “CDU honrou o compromisso, o seu voto foi respeitado”.

A regionalização foi outro dos temas no discurso, para “combater as assimetrias” no país, com a defesa do interior, “para que pulse com dinâmica produtiva”. Uma defesa “intransigente”, não como “alguns movimentos que existiam a defender a regionalização, mas que com o aproximar das eleições desapareceram”, acusou o comunista.

Apelando a união de esforços para a “dura batalha” que se avizinha, Jerónimo Sousa afirma que “os portugueses têm a opção de escolher “entre avançar ou andar para trás”, sublinhando que foi graças à ação do PCP que “muitas das conquistas foram conseguidas” nos últimos quatro anos.

Ana Leitão, que lidera a lista da CDU no distrito avançou com algumas das reivindicações, nomeadamente nas redes viárias. “A construção das ligações de Idanha e Penamacor à A23, a construção do IC31 e IC6 e a requalificação de estradas municipais” enumerou.

A candidata começou por lembrar que a 6 de outubro “não se vai eleger o primeiro ministro, mas deputados” e cada voto na CDU conta, também no distrito frisou.

A candidata relembrou que foi a CDU que “esteve na linha da frente” da defesa do distrito nomeadamente “na luta contra as portagens”, lembrando que CDS, PSD e PS chumbaram a proposta de lei do PCP. “Dizem uma coisa na região e fazem outra na Assembleia” acusou.

A luta contra as “freguesias roubadas”, a defesa dos “serviços públicos de proximidade”, são outras das ações da coligação que se iniciaram no passado e irão continuar. Ana Leitão acrescentou ainda que “foi a CDU que exigiu lutou e continua a lutar pela redução dos passes socias”, irão lutar pela criação de passes sociais intermodais que no território das Comunidade Intermunicipais do Distrito não ultrapassem os 30 e 40 euros”, referiu.