10ª edição Sons da Fraga Dura com cartaz reforçado

“Temos um orçamento só para música superior a 5 mil euros” referiu à Rádio Covilhã, Rúben Neves, o presidente da Casa do Povo de Casegas, organizador do Sons da Fraga Dura, que inicia hoje e terminam domingo. “O nosso compromisso foi que nesta décima edição aumentávamos o orçamento assim como a qualidade e a quantidade musical”, acrescentou.

Apesar do crescimento que o festival tem apresentado de ano para ano, Rúben Neves tem consciência das limitações da aldeia e não quer que o festival fique fora das possibilidades, acrescentando ainda que “é mais difícil montar o festival apenas com base no voluntariado”, devido à perda de população.

As festas iniciam-se hoje, por volta das 18 horas, com o grupo Trigainas a proporcionar animação de rua. Às 21H30 decorre no Palco Lameiro da Ribeira a encenação do Teatro das Beiras “Entremezes”, mas antes, a casa do povo organiza uma mostra gastronómica onde “as pessoas podem degustar na Casa do Povo o tradicional Burlhão, a Chanfana e o Feijão com Couve” entre outras iguarias como o “repolho frito”.

No sábado regressa o tradicional workshop de pão caseiro às 18 horas. Durante a noite aos “comes e bebes” junta-se a animação musical, naquele que Rúben Neves considera ser “o dia mais forte”, com o “prodígio Fernando Meireles”, uma chulada minhota e “para fechar Sebastião Antunes e os Quadrilha”. O encerramento, no domingo, vai contar com um almoço convívio e com a mostra do filme “Tempo Comum” de Gonçalo Magalhães.