Rampa: Organização sem mácula e com ambição

A organização da Rampa Serra da Estrela esteve uma vez mais a cargo do Clube Aventura do Minho, CAMI, e no final Nuno Loureiro, presidente do clube fez um balanço “extremamente positivo”.

Realçando que ao longo do fim-de-semana “aconteceram diversos contratempos”, frisa que a organização “deu uma resposta pronta e à altura”, considerando que CAMI e a autarquia, que organizou em conjunto, “estão de parabéns”.

“Uma excelente prova, no melhor traçado da Europa”, realça o responsável. Considerando que a data não foi a melhor, inicialmente a Rampa estava prevista para o fim-se-semana das eleições europeias e por isso teve de ser alterada, ainda assim, considera que os carros presentes “foram excelentes e mais vale ter 32 excelentes carros do que 100 maus carros”.

Satisfeito no final estava também Vítor Pereira, presidente da Câmara Municipal da Covilhã, “com a fantástica participação do público” e com a “merecida” vitória de João Fonseca. Motivos para que autarquia “continue a apostar na realização da prova”, referiu.

O autarca salienta a “legítima” ambição de ter de novo a prova no campeonato europeu, afirmando que “está a trabalhar em várias frentes”, nomeadamente com a Infraestruturas de Portugal, para que “tal seja possível”, afirmando que “a vontade é indómita”.

Mais contido nesta matéria mostrou-se Nuno Loureiro, afirmando que “sonhar é sempre legítimo”. Considera este o “melhor traçado e uma das melhores rampas da europa”, mas é preciso “obras que dependem doutras entidades”. Da parte do CAMI “estão em condições de avançar com a candidatura, mas neste momento as coisas são difíceis uma vez que as outras provas nacionais também melhoraram muito”, afirmando no entanto que “a Serra da Estrela é sempre Serra da Estrela”.