AM Covilhã aprova moções onde exige transportes rodoviários e ferroviários de qualidade

O tema “transportes” dominou grande parte da Assembleia Municipal da Covilhã na última sexta-feira, quer por via de moções apresentadas quer por via de questões colocadas ao presidente de Câmara sobre este dossier.


A bancada do PS apresentou uma moção em que exige “mais e melhor mobilidade no concelho”, instando o “estado central a apresentar soluções”, nesta matéria.


Na moção propõe-se que o Governo “crie um programa de transportes públicos para todo o território nacional”, nomeadamente nos territórios de “baixa densidade”, que defenda o direito ao transporte “das aldeias mais pequenas e afastadas”, com soluções como “o transporte a pedido, que deverá ser concertado com agentes locais”.


Sugere ainda a criação de um serviço “urbano rodoviário que sirva a dinâmica de uma cidade” e um “intermunicipal adequado, com horários que permitam deixar o carro em casa para ir trabalhar na cidade vizinha, e com preços iguais aos praticados nas áreas urbanas de Lisboa e Porto”. Esta moção foi aprovada por unanimidade.


O transporte ferroviário, que a abertura do troço Covilhã/Guarda da Linha da Beira Baixa irá impulsionar, foi outra das matérias também discutida.


Chegou ao plenário pela bancada socialista, uma moção em que Pina Simão, que leu o documento, vinca que se deve exigir “um serviço regional de qualidade no eixo Guarda, Covilhã, Fundão e Castelo Branco”, que “nas horas de ponta, de manhã e à tarde, tenha um serviço de 30 em 30 minutos”, que inclua “ligações rápidas”, que não parem “em todas as estações e apeadeiros”, mas nos de maior procura.


Na moção é ainda exigida ligação direta com o norte/litoral do país. Esta moção foi aprovada com uma abstenção.


No dossier transportes, o CDS, PSD e De Novo Covilhã apresentaram uma moção conjunta, com foco nos transportes no concelho da Covilhã.


No documento as três bancadas propõem a criação de “uma linha diária regular entre as sedes de freguesia e a sede de concelho” e a necessidade de “na Covilhã haver serviço de qualidade superior, ao nível do conforto dos veículos bem como à idade dos mesmos que não coloque em perigo os seus ocupantes”, refere o documento apresentado por Hugo Lopes.


A moção foi aprovada por maioria com 19 votos a favor e 20 abstenções.