Plano de redução de impostos na Covilhã “é para manter”

O presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, garantiu, na última assembleia municipal, que o plano apresentado pelo executivo no ano passado e que prevê a diminuição de impostos até 2022 “é para manter”.


O autarca respondia desta forma à moção apresentada pela bancadas do CDS, PSD e De Novo Covilhã, e rejeitada pela maioria do plenário, em que “instavam” o presidente da Câmara a “diminuir as Taxas Fiscais Municipais como IMI, IRS, IRC e Derrama no próximo orçamento”. Uma forma de “apoiar efetivamente as famílias e empresas do concelho”, nesta fase difícil que se atravessa, frisava o documento.


Uma proposta que a maioria do plenário rejeitou. Vítor Pereira, sobre esta matéria, recordou que o executivo aprovou um “plano para diminuir estes impostos até 2022″, que é “para manter”.


O autarca vincou que “isto é que é fazer política com bom senso”, salientando que “tem que se fazer projeções e não vir à Assembleia falar em reduções sem propostas concretas”, frisou.


Recordar que em novembro de 2019 foi aprovada a redução de IMI de 0,38% para 0,37%, com o objetivo que a “taxa se fixe em 0.35 em 2022, com uma redução de uma centésima ao ano”, referiu na altura Vítor Pereira.