Bloco de Esquerda questiona Câmara da Covilhã

Em comunicado, o Bloco refere que “já vão dois anos seguidos que a Instinto, Associação de Proteção Animal da Covilhã, viu os seus projetos serem escolhidos pelos munícipes no âmbito do Orçamento Participativo, mas o mais incrível é que as verbas ainda não foram utilizadas nestes dois projetos vencedores”.

Recordam os membros do Bloco que a Instinto teve “o projeto mais votado na edição de 2015 do Orçamento Participativo, mas passados três anos ainda está por construir o Centro de Recolha Animal, candidatado pela Instinto, cuja dotação inicial era de 60 mil euros. A associação voltou a candidatar-se no ano seguinte e venceu com um projeto de esterilização de animais errantes (25 mil euros), mas num caso e no outro o dinheiro ainda não foi entregue”.

O BE defende que a “participação cívica enriquece o processo de decisão e favorece um maior ajustamento dos investimentos às necessidades dos munícipes, pelo que a criação e correta aplicação de um Orçamento Participativo poderá ajudar a população a decidir o destino de recursos públicos, definindo prioridades de investimento através da reflexão e debate dos problemas das pessoas e do território, portanto, consideramos grave a atitude que a Câmara Municipal da Covilhã está a ter neste processo”.

O Bloco quer que a autarquia faça o ponto da situação sobre a construção do centro de recolha animal apresentado pela Instinto.