Ciclo de Teatro Universitário da Beira Interior superou expetativas

A 23ª edição do mais antigo Ciclo de Teatro Universitário do país superou as expetativas da organização. Decorreu em casa nova, com as entidades organizadoras, TeatrUBI e ASTA, a criarem um “novo teatro”, nas instalações da Universidade da Beira Interior, o que veio a revelar-se uma agradável surpresa face à “elevada” adesão do público, disse à Rádio Clube da Covilhã, Rui Pires.

O presidente do Grupo de Teatro da UBI salienta que “não eram esperados tantos espetadores, dada a mudança de local, mas conseguimos encher, nalguns espetáculos, o auditório das sessões solenes, o que foi surpreendente”.

Pela primeira vez a decorrer verdadeiramente em casa, na UBI, Rui Pires refere que “transformar o auditório das sessões solenes num teatro” representou um “trabalho árduo que compensou”.

Com uma média de 102 espetadores por espetáculo, a afluência “superou as expectativas” da organização, e “criou um novo problema” às duas companhias covilhanense que o organizam. Manter o figurino tradicional do Ciclo de Teatro, ou criar um novo polo para a sua realização, é o dilema com que a organização se depara nesta altura, “o que é interessante”, sublinha Rui Pires. A próxima edição acrescenta, “poderá desenvolver-se no novo Teatro Municipal, que terá todas as condições e na UBI, que com algumas alterações no auditório, pode ter as condições mínimas para tal”, reforça.

Rui Pires salienta ainda “os novos públicos” que esta edição do Ciclo de Teatro atraiu, nomeadamente os alunos estrangeiros da UBI, “que são muito recetivos a estes eventos”. Uma situação a que não é alheio o facto de “o grupo de Teatro da UBI ter em palco alunos de outras nacionalidades”, refere.

Nos 10 dias de festival, passaram pelo palco várias companhias portuguesas e espanholas, trazendo várias propostas teatrais, umas mais tradicionais, outras mais inovadoras, mostrando a vitalidade e versatilidade do teatro universitário.

Quanto aos prémios atribuídos, o Júri e o Público coincidiram na atribuição do prémio ao espetáculo ” A muller que tiña medo e marchou a vivir ao Carrefour” com texto e direção de Roberto Salgueiro, do Grupo de Teatro da Universidade de Santiago de Compostela, Espanha.