Associativismo: “Processo de legalização de sedes decorre a bom ritmo”

A Câmara Municipal da Covilhã quer legalizar “o máximo de sedes possível, até final do mandato”, disse à RCC, o vereador com o pelouro do Associativismo, José Miguel Oliveira.

A decorrer, “a bom ritmo”, estão os processos do Águias do Canhoso, Grupo Desportivo da Mata, GIR do Rodrigo, Refugiense e S. Vicente de Paulo, frisa o vereador, acrescentando que “cada caso é um caso”, e que todos estão a ser “analisados e acompanhados” pelo grupo de trabalho, criado no município para esse efeito. A equipa é constituída por “um arquiteto e um técnico, que visitam os locais” e em conjunto com os dirigentes “estão a resolver um problema antigo, mas que até final do mandato irá resultar num número significativo de sedes licenciadas e legalizadas”, refere.

José Miguel Oliveira afirma que há casos complicados, que necessitam, inclusive, de alterações ao Plano Diretor Municipal (PDM), como a Associação Desportiva de Orjais, que tem a sede em Reserva Ecológica Nacional, casos que estão a ser “estudados em conjunto com o vereador que detém esta pasta”, para que se possa avançar no processo.

Na cidade, o caso do Oriental de S. Martinho e dos Leões da Floresta, “irão avançar em breve”, garante ainda o vereador, afirmando que “o caso dos Leões da Floresta será mais célere uma vez que tem previstas as “obras no âmbito do Orçamento Participativo”.