CDS-PP critica gestão e vota contra o equilíbrio de contas do Parkurbis

O equilíbrio de contas do Parkurbis, Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã mereceu o chumbo da oposição na reunião privada, da última terça-feira. O saldo negativo de cerca de 75 mil euros obrigou a autarquia a uma transferência de cerca de 57 mil e 600 euros, ao abrigo da proporção que o município detém no capital social da sociedade.

José Luiz Adriano, vereador do CDS-PP, que substituiu Adolfo Mesquita Nunes na reunião, disse que para além da transferência para o equilíbrio, “existiu ainda a transferência 74 900 euros para pagamento de serviços”, que, “não se veem” acusa, considerando que é “um valor para suportar encargos com a administração”. O vereador do CDS-PP frisa que “o principal objetivo do Parkurbis está longe de ser alcançado”.

“Uma visão maldosa e redutora” respondeu o presidente da câmara Vítor Pereira, recordando que a sociedade Parkurbis “não visa o lucro”. O autarca recordou ainda a “dívida pesadíssima” que o Parque de Ciência e Tecnologia herdou, que “obriga ao pagamento anual de 225 mil euros à banca, devido aos empréstimos contraídos para a sua construção”.

Para Vítor Pereira, “o diferencial nas contas, face aos pagamentos obrigatórios que tem que realizar”, mostra “contas muito positivas e o trabalho notável que se tem feito e continuará a fazer”, reforça o edil.