Jornadas da Juventude: “Uma aposta ganha”

No final das I Jornadas da Juventude da Covilhã, que decorreram na sexta-feira e no sábado, na Biblioteca Municipal da Covilhã, a organização considera que foram “uma aposta ganha”.

Ana Moreira, presidente da Comissão Permanente do Conselho, disse na cerimónia de encerramento que “as jornadas resultaram de um plano bem delineado” da comissão a que preside, “a que, infelizmente, muitos se alhearam”. Frisando que a falta de público obrigou ao cancelamento da última sessão” prevista para o sábado de manhã, realçou “os muitos jovens que compareceram durante a sexta-feira e tornaram as jornadas um êxito”. A responsável pôs em evidência “as dificuldades” que existem em “mobilizar a juventude”, garantindo que o “conselho irá continuar a fazer o seu trabalho, em prol de uma juventude mais interventiva”. Ana Moreira garantiu ainda que em “2020 terão lugar as segundas jornadas”.

Na sessão de encerramento esteve presente Regina Gouveia, vereadora com o pelouro da juventude. A autarca considera que o programa destas jornadas “foi de grande qualidade”, com temas “muito pertinentes”. Para Regina Gouveia as jornadas foram uma “aposta ganha”, destacando a “interação que se conseguiu entre as várias escolas secundárias que participaram nos trabalhos de sexta-feira, o conselho municipal e a própria autarquia”.

As I Jornadas da Juventude foram uma organização conjunta do Conselho Municipal da Juventude e da Câmara Municipal da Covilhã, explicou Regina Gouveia. A vereadora afirmou que “é fundamental para a organização sentir que os jovens estão envolvidos e têm sentido de responsabilidade”, apelando “a uma maior participação cívica da juventude”. A autarca disse que esta realização só foi possível graças à “comissão eventual criada para o efeito no seio do Conselho Municipal”. Uma comissão constituída por João Silva, João Bernardo, Marta Tejada, João Gaspar, João Figueiredo da Silva e Helena Ribeiro.