Grupo Paulo de Oliveira cresceu 7% no primeiro trimestre

O Grupo “Paulo de Oliveira” cresceu 7% no primeiro trimestre deste ano, avança a edição desta segunda feira do Jornal T, jornal da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal.

Em entrevista ao Jornal, o administrador Luís Miguel Oliveira, adianta que “apesar da incerteza ser a marca de água da conjuntura atual, as vendas da Paulo de Oliveira aumentaram 7% no primeiro trimestre”. Dados que “surpreenderam” a gestão de um dos três maiores grupos de lanifícios da Europa, que “perspetivava tempos difíceis, após uma fase de vultuosos investimentos e de crescimento a dois dígitos”, avança ainda a mesma fonte.   

Recordar que o grupo concluiu, em 2018, um ciclo de 5 anos, em que investiu cerca de 20 milhões de euros, para melhorar a sua eficiência energética e competitividade, renovando o parque de máquinas, designadamente as secções de tecelagem e de acabamentos, de forma a aumentar a “flexibilidade e velocidade de resposta”.

Este ano, “o ritmo investimentos vai abrandar um pouco”, avança ainda o Jornal T. Para 2019, está previsto um investimento superior a um milhão de euros, “na renovação de equipamentos na tinturaria e muito provavelmente na secção de acabamentos”, com a aquisição de máquinas que permitam à empresa “concretizar algumas ideias novas”.

O grupo Paulo de Oliveira, fechou 2018 com um volume de negócios de 80 milhões de euros, tem o seu centro da gravidade na Boidobra e integra duas outras empresas, a Penteadora e a Tessimax onde trabalham cerca 1 200 pessoas.