Documentos da CMC enviados por correio em CD-Rom

O envio de documentos em CD-ROM foi a solução encontrada pela Câmara Municipal da Covilhã para contornar a “falta de segurança” que o gabinete de informática da autarquia detetou.

Sublinhando que “o relatório técnico onde diz que a de partilha de documentos na plataforma de internet não é seguro deveria ser partilhado” Adolfo Mesquita Nunes, no final da reunião de câmara, Afirmou que não acredita que “de um dia para o outro a câmara tenha decidido deixar de enviar documentos para os vereadores por questão de segurança”.

“É risível que no século XXI a câmara envie documentos por correio e por CD-Rom, apenas por pirraça” sublinhou reforçando que a situação foi criada “no intuito de obrigar os vereadores a não consultar a documentação”. “Em vez de voltarem ao sistema de email que era o evidente, inventaram uma questão de segurança”.

Adolfo Mesquita Nunes conclui no entanto que “qualquer forma que a CMC encontre de enviar os documentos estará correta desde que cumpra o prazo legal”.

Vítor Pereira afirmou que “é de senso comum e não são precisos relatórios exaustivos para se concluir que o “wetransfer” não garante a segurança da informação depositada”.

O autarca avança que para prevenir os problemas de insegurança na internet, irá ser criado “um acesso remoto codificado”.