BE avança com campanha para nacionalizar CTT

O Bloco quer nacionalizar os CTT, considerando este “desempenha, desde 1520, um papel essencial de coesão territorial, seja pelo serviço postal universal e distribuição domiciliária de correio, seja pelas atividades que entretanto se desenvolvem nas suas lojas, tais como o levantamento de pensões ou o pagamento de serviços essenciais como água, luz, comunicações, etc” pelo que “não deveria ter sido entregue aos privados”.

Os bloquistas afirmam mesmo que “as estações de CTT, em algumas localidades, são o único serviço público e de proximidade” e que “o seu encerramento diminui o emprego em áreas já castigadas pelo desemprego”. Salientam ainda que “no lugar das antigas estações de correio, instalam-se postos CTT em lojas, nas quais as regras mínimas não são respeitadas e onde a confidencialidade das operações não está assegurada, nem o acesso a todos os serviços”.

O Bloco de Esquerda defende a necessidade de nacionalizar a empresa CTT no seu todo e avança com uma campanha de recolha de assinaturas para uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos, que conta na sua Comissão Representativa com nomes como Francisco Louça, Joni Ledo, Zuraida Soares ou Roberto Tavares.

Na Covilhã a campanha chega dia 28 de setembro, irá decorrer no Mercado Municipal com a presença dos candidatos do Bloco às legislativas.