BE contra plano de mobilidade da CMC

“O Bloco de Esquerda opõe-se a que se concessione a entidades privadas a gestão dos elevadores e funiculares, bem como o estacionamento” descreve o Núcleo Concelhio do BE em nota de imprensa, mostrando que está contra o novo plano de mobilidade da Câmara Municipal da Covilhã.

O BE alega ainda que “a falta de manutenção e a incapacidade da Câmara Municipal da Covilhã em manter os elevadores e funiculares em funcionamento não servem de justificação para esta opção, lesiva e atentatória do bem comum”.

Referindo-se à questão do estacionamento pago, os bloquistas referem que a promessa eleitoral de revitalização do centro histórico “já foi esquecida” e que estas medidas “mais não fazem que destruir o comércio local e afastar as pessoas do centro histórico”. “O alargamento das zonas de estacionamento pago, principalmente em locais onde não existe qualquer alternativa ao estacionamento pago, significa um custo acrescido para os covilhanenses”, adianta ainda.

A aprovação por unanimidade destas propostas é estranha para o BE que acredita que os comerciantes da Zona Histórica vão novamente enfrentar políticas municipais que degradam os seus negócios, “o estacionamento pago afasta os covilhanenses do centro da cidade, favorece as superfícies comerciais que dispõe de estacionamento gratuito, e prejudica o pouco comércio tradicional que ainda subsiste no coração da cidade”, argumenta.

No que toca à nova concessão de transportes urbanos, o partido de esquerda descreve que o caderno de encargos “deve ser exigente na salvaguarda do interesse público exigindo frotas amigas do ambiente e cumprimento das obrigações da empresa concessionária, em termos de horários e de rotas”.

“A Câmara Municipal da Covilhã apresenta uma incapacidade de inovar, de defender o nosso património e o interesse público, de planear e implementar verdadeiras políticas de mobilidade”, termina o Bloco de Esquerda.