Cova da Beira com mais 80 camas para cuidados continuados

A Cova da Beira vai contar em breve com mais cerca de 80 camas para cuidados continuados, 40 no Fundão, na Santa Casa da Misericórdia e cerca de 40 também na Misericórdia da Covilhã, anunciou João Casteleiro, presidente do Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira à margem do I Seminário de Cuidadores Informais, esta sexta-feira.

Segundo o responsável, que acompanhou todo o processo, “o aumento do número de camas é uma necessidade”. Frisa que “há casos de doentes internados a que não é dada alta porque não têm lugar na rede de cuidados”, salientando que “aqui ninguém sai sem que a Assistente Social avalie a situação”. Dá como exemplo o serviço de Ortopedia, “em que há pouco tempo estavam 7 doentes em condições de ter alta e sem lugar nessa rede”.

Embora sem uma estimativa anual destes casos, João Casteleiro salienta que “há muitas camas ocupadas no Hospital com estes casos”, embora o problema não assuma contornos tão graves como nas “grandes metrópoles”, uma vez que aqui, “na maioria dos casos a família assume essa responsabilidade”.

Uma “rede de afetos” que se consegue criar em cidades mais pequenas, e que “é essencial até mesmo para a hospitalização domiciliária”, disse João Casteleiro, explicando que na Covilhã “há um caso em que é o próprio vizinho que assume o papel de “cuidador”.

João Casteleiro mostra-se satisfeito com este aumento na região, “o que foi difícil de conseguir”, frisando que “no ano passado só havia verbas para Lisboa e Vale do Tejo”, uma região “muito carenciada, é certo”, mas “aqui também temos essa necessidade”, concluiu.