Estrela a um passo de ser Geopark Mundial

A UNESCO aprovou ontem a candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial. O Conselho de Geoparks deu “parecer positivo, faltando agora o do Conselho Executivo da agência das Nações Unidas, para que o processo fique concluído,” anunciou Joaquim Brigas, presidente da associação Geopark Estrela, afirmando que “a aprovação da candidatura é o reconhecimento do potencial do território e do seu património natural e cultural”.

A candidatura da Estrela a Geopark Mundial foi aprovada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO na 4ª. Sessão do Conselho de Geoparks Mundiais, que se reuniu desde sábado até hoje em Gili, na Indonésia. A candidatura começou a ser preparada em 2014 e foi formulada em 2017 com a entrega do Dossier de Candidatura à UNESCO por parte da Associação Geopark Estrela (AGE), com sede nas instalações do Instituto Politécnico da Guarda (IPG).

“A aprovação da candidatura por parte da UNESCO é o reconhecimento do potencial geológico do território e do seu património natural e cultural e, nessa medida, um primeiro passo para o desenvolvimento sustentável de toda a região da Estrela”, afirma Joaquim Brigas, presidente da Associação Geopark Estrela e que preside também ao IPG, em comunicado emitido por aquela associação. Frisa que “um efeito natural deste primeiro passo será o aumento do potencial turístico, económico e social dos municípios que fazem parte do território. E, por conseguinte, o aumento da qualidade de vida das populações”.

A Associação Geopark Estrela é composta por nove municípios dos distritos da Guarda, Castelo Branco e Coimbra – Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Manteigas, Oliveira do Hospital e Seia – e, também, pelo Instituto Politécnico da Guarda e pela Universidade da Beira Interior (UBI). A presidência da Associação Geopark Estrela é assegurada pelo presidente do IPG, Joaquim Brigas, e a vice-presidência por, José Páscoa Marques, vice-reitor da UBI.