O país precisa do reforço da CDU

“O país e a região precisam de uma alternativa, que passa pelo reforço da CDU nos combates eleitorais de 2019”, disse Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, que encerrou os trabalhos da 11ª Assembleia da Organização Regional de Castelo Branco do partido, no último sábado, na Covilhã.

Para o dirigente, “só rompendo com as políticas do passado” será possível recuperar “o que foi perdido nos setores produtivos”, nomeadamente “na agricultura, indústria, serviços públicos e nas funções sociais do estado” e assim “estancar o declínio demográfico e emigração da população jovem”, que se verifica neste distrito.

Afirma que o partido tem “propostas concretas” para o desenvolvimento do distrito, nomeadamente “para a concretização do emprego com direitos” e melhoria de setores como “o transporte ferroviário e rede viária, com o fim das portagens”. Propostas para “a melhoria da escola pública e do financiamento no ensino superior”, bem como dos “serviços públicos e combate às assimetrias”, frisou.

O Secretário-geral do PCP salientou que “é necessário ultrapassar as políticas restritivas, penalizadoras do interior e com impactos profundamente negativos no seu desenvolvimento económico e social”. O dirigente questionou mesmo, onde está “o movimento pelo interior que fez tanto barulho, mas que de repente, com o processo de descentralização, ou com o desacordo entre PS e PSD nesta matéria desapareceu? Será que foi por causa do frio?”, questionou o comunista.

Num discurso virado também para as europeias e legislativas, Jerónimo de Sousa apelou ao reforço da CDU, “para elevar para outro patamar a solução política”, para assim resolver “os problemas de fundo que bloqueiam o desenvolvimento”. Para o comunista “Portugal precisa de encetar um caminho verdadeiramente alternativo para resgatar a sua dependência e libertar recursos para o seu desenvolvimento” salientou.