MPOR revoltado pede demissão dos eleitos do Ourondo na União de Freguesias

O Movimento Povo Ourondo e Relvas, em comunicado, mostra a sua indignação, “ao ter conhecimento do programa comemorativo do 25 de abril da autarquia”, que contempla a inauguração de um forno comunitário em Casegas, “esquecendo as obras iniciadas em campanha eleitoral no Ourondo”, afirmando que o povo da aldeia se sente “humilhado e ferido”, na sua “identidade”.

No documento escreve que “nada tem contra o forno”, acrescentando que a “Câmara não se pode esquecer” da obra de requalificação do Largo da Carreira, na zona central do Ourondo, “lançada em Campanha Eleitoral”. O MPOR explica que a obra pretende criar uma “zona de lazer, wc’s públicos e um abrigo para os passageiros”.

Frisando que aguarda “as devidas explicações por este estado de abandono”, o Movimento acusa também a União de Freguesias de Casegas e Ourondo, afirmando que “o desleixo impera e é rei, ruas por limpar, zona de lazer imunda, placas de indicação estragadas, não por vandalismo, mas por falta de manutenção, caminhos intransitáveis, passeios degradados” um cenário que leva o Movimento a afirmar que a “luta contra a maldita agregação” tem que continuar.

Terminam com um repto aos eleitos na União de Freguesias de Ourondo e Casegas, que são do Ourondo, para que se “demitam e não participem mais nesta farsa”.