Novo pedido para prospeção de lítio no concelho gera preocupação

Novo pedido para prospeção de lítio na região está a preocupar a população e autarcas. O alerta foi dado na reunião da Assembleia Municipal da Covilhã, por Luís Morais, presidente da União de Freguesia do Barco e Coutada, que questionou Vítor Pereira, sobre a implicação deste pedido.

Segundo explica, o aviso foi publicado em Diário da Republica, a 10 de abril, abrindo assim o período de consulta pública, para o pedido efetuado pela empresa Fortescue Metals Group Exploration Pty Ltd., de atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de depósitos minerais de ouro, prata, chumbo, zinco, cobre, lítio, tungsténio, estanho e outros depósitos minerais ferrosos e minerais metálicos associados, numa área que abrange território do município da Covilhã.

Vítor Pereira, presidente da câmara, explicou que a intenção da empresa é, para já, desenvolver “estudos”, sobre o potencial de “exploração de lítio”, em praticamente “metade do território da Covilhã”. O autarca avança que o que está previsto, para os próximos 5 anos, é um levantamento “para circunscrever o perímetro, onde depois irão desenvolver uma exploração experimental”.

O autarca avança, que entre “o início dos trabalhos e o início de uma exploração propriamente dita”, se o governo autorizar, medeia “um período de 8 anos”, tempo que será utilizado para o levantamento e exploração experimental. O presidente da câmara afirma que “está atento” a esta situação, mas “não preocupado”, porque “não devemos levantar fantasmas”. Ainda assim, garante que está a “acompanhar e monitorizar a situação”.

O presidente da câmara afirma que é “natural a preocupação dos autarcas que têm este problema à porta de casa”, mas para já, não há indicadores para se “agitarem fantasmas antes do tempo”. Para Vítor Pereira é preciso respostas para “o quando, onde e como” para depois reagir. Garante ainda que não se pode estar a fazer paralelos com os pedidos que existem para a área da Argemela. É que aí “não há garantias de que não haja contaminação do rio”, para além de que a “exploração será feita muito próxima das povoações”.

Este novo projecto para exploração, entre outros metais, de lítio, no concelho da Covilhã, está em discussão pública até 27 de maio.