Pires Manso: Portugal atravessa um boom de emprego

José Pires Manso, professor Catedrático da Universidade da Beira Interior e responsável do Observatório para o Desenvolvimento Económico, afirma no Barómetro Social de junho, que “apesar da precariedade do emprego em todo o país” e dos “níveis salariais baixos e empregos pouco duradouros”, Portugal está a “atravessar um boom de emprego com uma taxa nacional de desemprego a rondar os 6,6%, taxa não sonhada há ainda muito pouco tempo”.

No Barómetro avança que em maio passado, o desemprego “ainda que relativamente baixo” afetava 282 292 pessoas das quais 44% eram homens, 56% mulheres, 56% estavam inscritos há menos de um ano, os restantes 44% há mais de um ano, 10% procuravam o 1º emprego contra 90% que procuravam outro emprego.

No mesmo período, na Região Centro havia 41 451 desempregados, dos quais 45% eram homens, 57% estavam desempregados há menos de um ano, 43% há mais de um ano, 12% procuravam o 1º emprego e 88% procuravam novo emprego.

Da comparação destes valores conclui-se que há mais desempregados homens na região centro do que no país (+0.87%), que há mais mulheres desempregadas no Continente do que na Região Centro, o desemprego de curto prazo é maior no Centro que no Continente (+1.18%), o desemprego de longo prazo (>1 ano) é maior no Continente do que no Centro, o desemprego jovem é maior no Centro (+2.24%) e o outro desemprego é maior no Continente.

Na Região Centro é o concelho de Viseu que tem maior desemprego (2764), contra 1472 da Covilhã, 1436 de Castelo Branco e 1212 da Guarda. Vem depois o Fundão 857, Seia 641, Mangualde 568, Gouveia 406 e Nelas 374.