Classificação da casa de Alçada Baptista não foi consentida e filhos avançam para tribunal

Os filhos do escritor António Alçada Baptista não querem a casa da “Tapada do Dr. António”, nas Penhas da Saúde, classificada e nunca deram autorização ao primo, Luís Alçada Baptista, para avançar com o processo. Um caso que irão levar à barra dos tribunais se for necessário.

Em comunicado enviado à Rádio Covilhã, dão conta do “enorme espanto”, que sentiram com a notícia avançada pela RCC, a 5 de julho, que dava conta que a Tapada do Dr. António estava “em vias de classificação como Sítio de Interesse Nacional”. Um processo que terá sido iniciado há 10 anos por Luís Alçada Baptista, sobrinho do escritor e detentor de uma das casas da Tapada e cuja abertura de procedimento para classificação foi publicada, em julho, em Diário da República.

 “Nunca demos autorização ao sr. arquiteto”, Luís Alçada Baptista, “para ser nosso representante, não queremos a casa «classificada» e encontramo-nos com ele em litígio no tribunal” escreve no comunicado Pedro Alçada Baptista, explicando à nossa reportagem que o processo que corre em tribunal se prende com as partilhas do local.

Acusa ainda Luís Alçada Baptista de ter “mentido” nas declarações prestadas à Rádio Covilhã” e “pior, mentiu ao Estado” especifica, acrescentando que “ele e o funcionário que aceitou a palavra do sr. arquiteto, sem uma autorização escrita e assinada por nós, terão notícias do nosso advogado”.